Vaccine Amended.png

Informações importantes sobre a vacinação contra febre amarela

 

 

FEBRE AMARELA

VÍRUS DA FEBRE AMARELA É ENCONTRADO EM SÊMEN E URINA DE HUMANO, HAVENDO A POSSIBILIDADE DE SER TRANSMITIDA POR CONTATO SEXUAL



O vírus da febre amarela é usualmente detectado no sangue  de humanos infectados e agora  o RNA viral foi detectado  também em amostras de sêmen e urina de pessoas convalescentes da doença.  O genoma completo do vírus  da febre amarela foi sequenciado em amostras de sêmen e urina, colhidos de pacientes da América do Sul e Singapura.

Um dos pacientes tinha viajado para o município de Januria, Minas Gerais,  em 28  de dezembro de 2016 e também para zonas rurais da região norte do Estado de São Paulo, em 3 de Janeiro de 2017. Três dias depois, passou a desenvolver febre persistente, dor de cabeça, dor no corpo, prostração, vômitos, cansaço, inapetência fezes e urinas escuras e gosto amargo na boca.


O paciente retornou a São Paulo, onde recebeu investigação para denge, sendo o resultado negativo. Apresentava a contagem de plaquetas baixas  e manchas roxas na pele.   Amostras de sangue e urina foram colhidas e  o vírus da febre amarela foi negativo no sangue, porém positivo na urina, através do exame  de Cadeia de Polimerase por transcriptase reversa - qRT-PCRv.

 

Outro exame, para detecção qualitativa do anticorpo IgM: captura por ELISA confirmou a positividade.

 

Imediatamente realizaram o sequenciamento gênico  do RNA de vírus da febre amarela oriundos dos Estados do Espírito Santo e Minas gerais e compararam com o sequenciamento de outros vírus da América do Sul. O resultado demonstrou a presença de mutações genéticas que ocorreram durante a replicação viral, o que levou os pesquisadores a procurar a presença do RNA em sêmen e urina. O resultado foi positivo.  

 

A significância epidemiológica deste achado leva a comunidade científica a aventar a hipótese de transmissão sexual da febre amarela e novos estudos estão sendo implementados para  essa investigação, para se determinar,inclusive , se o vírus permanece por longos períodos nos testículos do ser humano infectado  e o quanto isso poderá implicar na possível transmissão sexual da febre amarela, assim como já se sabe, ocorre com o zika vírus.

Fontes: 

https://wwwnc.cdc.gov/eid/article/24/1/17-1310_article


 

VACINA DE FEBRE AMARELA: A MELHOR FORMA DE PREVENÇÃO

 

A VACINA DE FEBRE AMARELA é segura e eficaz contra a doença de 80 a 100 %  após 10 dias da vacinação e 99% após 30 dias.

Uma única dose proporciona muitos anos de proteção e na maioria das vezes, uma dose reforço é desnecessária.

No mundo todo, milhares de pessoas são vacinados contra febre amarela há dezenas de anos e a Organização Mundial de Saúde – OPAS – OMS reitera sua recomendação para todas as regiões do Brasil, como vacina de rotina, indicada a partir de 9 meses de idade até 59 anos.

Viajantes brasileiros que irão viajar para áreas de alta endemicidade (maior risco) de febre amarela e foram vacinados há mais de 10 anos, podem receber uma segunda dose da vacina, no mínimo 10 dias antes da viagem.

Precauções da Vacina de Febre Amarela:

  • Devemos avaliar, individualmente, o risco benefício da vacinação em pessoas acima de 60 anos de idade que ainda não tenham sido previamente vacinados, pois têm maior probabilidade de desenvolver efeitos colaterais da vacina.
     
  • A vacina pode ser oferecida a portadores assintomáticos, de HIV, que apresentem os níveis de CD4 ≥ 200 células / mm3.
     
  • Gestantes têm contraindicação da vacina, só devendo ser vacinadas em situações de emergências e sob responsabilidade médica.
     
  •  A vacina só está recomendada para mulheres que amamentam e vivem em regiões de alta endemicidade da doença. O risco de transmissão dos vírus vacinais pelo leite materno existe, mas é muito pequeno. Deve ser avaliado caso a caso e em situações de emergência. Gestantes e lactantes que não podem adiar uma viagem para áreas endêmicas têm a recomendação da vacina e devem ser advertidas sobre o risco potencial para o feto.-

    Quem tem a contraindicação da vacina de febre amarela?

     
  • Portadores de deficiência imunológica grave (celular ou combinada), desordens do timo, portadores sintomáticos do HIV, pessoas com câncer e aqueles que estão recebendo tratamento com medicação imunossupressora, tratamento com imuno-moduladores, transplantados recentes e os que recebem radioterapia.
  • Pessoas com alergia grave a ovo e derivados

 

Os estudos relatam a presença de síndrome viscerotrópica em pessoas maioes de 60 anos de idade , principalmente na primeira dose da vacina. A síndrome viscerotrópica é uma complicação que cursa com icterícia (cor amarelada da pele, olhos, urina e fezes esbranquiçadas, além de hemorragia e  que ocorrem até o décimo dia após a vacinação.

Embora seja rara (menos de um caso para cada 450 mil doses da vacina), a síndrome viscerotrópica deve ser notificada para que se consiga elucidar sua etiologia e seja contraindicada a revacinação. 

É importante pesar riscos & benefícios da vacina de febre amrela, para que se indique nessa faixa etária de maior risco, sempre lembrando que o rissco de contrair febre amarela muitas vezes é maior que a síndrome viscerotrópica, em algumas áreas endêmicas.

 

Em crianças menores de 9 meses de idade, também é mais frequente o desenvolvimento de complicações neurológicas, como encefalopatia, por isso o PNI - ProgramaNacional de Imunizações contraindica a vacina de febre amarela abaixo de 9 meses e acima de 59 anos.

 

Cabe ao médico indicar a vacina em pessoas acima de 59 anos, sempre levando-se em conta os riscos que cada paciente possa ter.

 

 

Dra. Maria do Carmo Duarte Oliveira 
Médica Responsável Técnica

 

 

REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS

 

1.Martin M et al. Advanced age a risk factor for illness temporally associated with yellow fever vaccination. Emerging Infectious Diseases. 2001; 7(6):945-951.

2.García MJS, Beltrán MAC, Goméz MLN. Ataxia como reacción adversa de la vacuna de la fiebre amarilla. An Pediatr. 2006; 65(5):500-510.

3.Codeço CT, Luz PM, Coelho F, Galvani AP, Struchiner C. Vaccinating in disease-free regions: a vaccine model with application to yellow fever. J R Soc Inteface. 2007; 4: 1119-1125. 3. Houghton-Triviño N, Montaña D, Castelhanos JE. Dengue-yellow fever sera cross-reactivity challenges for diagnosis. Rev salud pública. 2008; 10(2):299-307.

4. Hildreth CJ, Burke AE, Glass RM. Yellow fever. JAMA. 2008; 300(8):986. 5. Lo SC, Mascheretti M, Chaves TSS, Lopes MH. Vacinação dos viajantes: experiência do Ambulatório dos Viajantes do Hospital das Clínicas da Faculdade de Medicina da Universidade de São Paulo. Rev Soc Bras Med Trop. 2008; 41(5):474-478.

5. Mohrdieck R. Vacina contra febre amarela: Vigilância de efeitos adversos pós-vacina. Secretaria de Saúde do Rio Grande do Sul/ Centro de Vigilância Estadual em Saúde/Divisão de Vigilância Epidemiológica/Programa Estadual de Imunizações. Disponível em: http://www.saude.rs.gov.br/dados/1240508441468Vacina% 20contra%20Febre%20Amarela%20-%20Dra%5B1%5D.%20 Renate%20Mohrdieck.pdf. Data de acesso: 25/04/2009.

6.. Mourão MPG, Lacerda MVG, Bastos MS, Albuquerque BC, Alecrim WD. Dengue hemorrhagic fever and acute hepatitis: a case report. BJID. 2004; 8(6):461-464.

7. P. Beirão, P. Pereira, A. Nunes, P. AntunesYellow fever vaccine‐associated neurological disease, a suspicious case

BMJ Case Rep. (2017) In Press. https://doi.org/10.1136/bcr‐2016‐218706

8. R.E. ThomasYellow fever vaccine‐associated viscerotropic disease: current perspectives

Drug Des Devel Ther., 10 (2016), pp. 3345-3353

9.N.P. Lindsey, I.B. Rabe, E.R. Miller, M. Fischer, J.E. StaplesAdverse event reports following yellow fever vaccination, 2007‐13 J Travel Med., 23 (2016)

https://doi.org/10.1093/jtm/taw045

10. W.S. Leung, M.C. Chan, S.H. Chik, T.Y. TsangFirst case of yellow fever vaccine‐associated viscerotropic disease (YEL‐AVD) in Hong Kong J Travel Med., 23 (2016) https://doi.org/10.1093/jtm/taw020