Credenciada ANVISA para a Emissão do Certificado Internacional de Vacinas

 

Saiba como prevenir as HEPATITES VIRAIS

WHO_World_Health_Organization-logo-18D6B3AFE7-seeklogo.com.png

 

28 de Julho
 

 Dia Mundial contra as hepatitis virais

Em Maio de 2016, a Assembleia Geral de Saúde, da Organização Mundial de Saúde – OMS, desenvolveu a Estratégia Global de Saúde voltada à Erradicação das Hepatites Viras, como meta até 2021, cujo objetivo é reduzir as infecções em 90% e a mortalidade em 65%.

 

Tal iniciativa é focada, principalmente às hepatites C e B, responsáveis por 96% dos óbitos por hepatites, mas também se estende a outras formas de hepatite.

A Estratégia Global se baseia em 5 direções: informação, intervenção, financiamento e inovação da prevenção e tratamento e se estende por 28 países e muitas regiões do planeta, incluindo o Brasil, salvando vidas.

A Hepatite B é uma infecção crônica e sua principal fonte de transmissão é sexual (embora também possa ser transmitido por sangue e objeto perfuro cortantes. A transmissão materno-fetal, porém, é a mais comprometedora forma de transmissão, quando uma gestante, não vacinada e que se contamina, passa a doença para seu filho através da circulação placentária.
Bebês que adquirem a hepatite B de suas mães, têm alta probabilidade de desenvolver insuficiência hepática antes do primeiro ano de vida e só terão chance de sobreviver através de um transplante de fígado.

Quando uma pessoa contrai o vírus da hepatite B – HVB, este pode permanecer muitos anos em seu organismo sem demonstrar sintoma algum e por isso continua a ser transmitindo através de relações sexuais ou compartilhamento de seringas e agulhas a outros indivíduos não imunizados, perpetuando assim a cadeia de transmissão.

Quando os sintomas aparecem, a doença já evoluiu para a cirrose ou câncer de fígado.

O mesmo ocorre com a hepatite C, cujo principal meio de transmissão é o contato com sangue e equipamentos perfuro cortantes contaminados. A transmissão materno-fetal também pode ocorrer.

A hepatite A e a hepatite E são transmitidas através da ingestão de alimentos e água contaminados, pelo contato com fezes humanas, contato oral-fecal.

A Europa e Estados Unidos, atualmente, passam por um intenso surto de hepatite A e E devido a não opção por se vacinarem de indivíduos da população. Em adultos, estas hepatites podem resultar em insuficiência hepática fulminante e casos de óbito estão ocorrendo nessas regiões onde os surtos acontecem.

Existem vacinas contra hepatite A e B e são o principal recurso na prevenção destas doenças, além dos cuidados na utilização de preservativos para a relação sexual, agulhas e seringas descartáveis para usuários de drogas, o tratamento do sangue e derivados para a transfusão, a esterilização correta de equipamentos perfuro cortantes, ingestão de alimentos bem cozidos e adequado tratamento da água e esgoto.

Nosso planeta é economicamente e sócio culturalmente heterogêneo e ainda existem regiões sem recursos mínimos para a prevenção de doenças, falta de vacinas e cabe a nós, cidadãos globais adotarmos essa estratégia de prevenção das hepatites virais, conscientizando-nos e vacinando-nos.

A vacinação contra hepatite salva vidas e saúde global agradece.

Em Maio de 2016, a Assembleia Geral de Saúde, da Organização Mundial de Saúde – OMS, desenvolveu a Estratégia Global de Saúde voltada à Erradicação das Hepatites Viras, como meta até 2021, cujo objetivo é reduzir as infecções em 90% e a mortalidade em 65%.

 

Tal iniciativa é focada, principalmente às hepatites C e B, responsáveis por 96% dos óbitos por hepatites, mas também se estende a outras formas de hepatite.

A Estratégia Global se baseia em 5 direções: informação, intervenção, financiamento e inovação da prevenção e tratamento e se estende por 28 países e muitas regiões do planeta, incluindo o Brasil, salvando vidas.

A Hepatite B é uma infecção crônica e sua principal fonte de transmissão é sexual (embora também possa ser transmitido por sangue e objeto perfuro cortantes. A transmissão materno-fetal, porém, é a mais comprometedora forma de transmissão, quando uma gestante, não vacinada e que se contamina, passa a doença para seu filho através da circulação placentária.
Bebês que adquirem a hepatite B de suas mães, têm alta probabilidade de desenvolver insuficiência hepática antes do primeiro ano de vida e só terão chance de sobreviver através de um transplante de fígado.

Quando uma pessoa contrai o vírus da hepatite B – HVB, este pode permanecer muitos anos em seu organismo sem demonstrar sintoma algum e por isso continua a ser transmitindo através de relações sexuais ou compartilhamento de seringas e agulhas a outros indivíduos não imunizados, perpetuando assim a cadeia de transmissão.

Quando os sintomas aparecem, a doença já evoluiu para a cirrose ou câncer de fígado.

O mesmo ocorre com a hepatite C, cujo principal meio de transmissão é o contato com sangue e equipamentos perfuro cortantes contaminados. A transmissão materno-fetal também pode ocorrer.

A hepatite A e a hepatite E são transmitidas através da ingestão de alimentos e água contaminados, pelo contato com fezes humanas, contato oral-fecal.

A Europa e Estados Unidos, atualmente, passam por um intenso surto de hepatite A e E devido a não opção por se vacinarem de indivíduos da população. Em adultos, estas hepatites podem resultar em insuficiência hepática fulminante e casos de óbito estão ocorrendo nessas regiões onde os surtos acontecem.

Existem vacinas contra hepatite A e B e são o principal recurso na prevenção destas doenças, além dos cuidados na utilização de preservativos para a relação sexual, agulhas e seringas descartáveis para usuários de drogas, o tratamento do sangue e derivados para a transfusão, a esterilização correta de equipamentos perfuro cortantes, ingestão de alimentos bem cozidos e adequado tratamento da água e esgoto.

Nosso planeta é economicamente e sócio culturalmente heterogêneo e ainda existem regiões sem recursos mínimos para a prevenção de doenças, falta de vacinas e cabe a nós, cidadãos globais adotarmos essa estratégia de prevenção das hepatites virais, conscientizando-nos e vacinando-nos.

 

A vacinação contra hepatite salva vidas e saúde global agradece.

 

WHO_World_Health_Organization-logo-18D6B3AFE7-seeklogo.com.png
dia mundial contra hepatites.jpg
download (3).jpg
images (4).png
images (51).jpg
images (53).jpg

ELIMINE AS HEPATITES

 

A eliminação da hepatite viral foi colocada no mapa de vez. Na 69ª Assembleia Mundial de Saúde em Genebra, 194 governos adotaram a Estratégia Global da Hepatite Viral da OMS, que tem o objetivo de eliminar as hepatites B e C nos próximos 13 anos. A comunidade respondeu com o lançamento do NOhep, o primeiro movimento global para eliminar a hepatite viral até 2030. 

O WHD 2017 é uma oportunidade para aproveitar este momento e acelerar o progresso para atingir o objetivo de eliminação até 2030.