business-travel-1024x362.jpg
Obrigatoriedade & risco individual

 

 A Organização Mundial da Saúde -  OMS têm se preocupado cada vez mais com a possibilidade de maior transmissibilidade de doenças infectocontagiosas em caráter global e não mais regional.

 

Com relação à vacina contra febre amarela, existem países que, institucionalmente obrigam ao estrangeiro, o Certificado Internacional de Vacinas, inclusive para a requisição do visto de permanência, principalmente depois so surto de febre amarela am algumas regiões do Brasil.

 

Em contrapartida há inúmeros países que não adotam tal exigência embora sejam regiões alto de risco para febre amarela e muitas outras doenças infectocontagiosas, portanto, viajar para estas regiões requer cuidados na prevenção individual com indicações de vacinas para outras doenças além da febre amarela.

 

A ANVISA alerta a população e delega a obrigatoriedade de orientar viajantes quanto ao risco de desenvolver malária, hepatites, poliomielite, febre tifoide, sarampo, rubéola, meningite meningocócica, cólera, influenza atém de muitas outras, aos Centros de Orientação.

 

Ainda existe a concepção de que somente vacinas obrigatórias para a requisição do visto é que são importantes, mas trata-se de um engodo que poderá acarretar riscos à saúde individual e global.

 

Pelo menos 30 dias antes de viajar é importante que se passe por orientação (de preferência 30 dias antes da viagem) para as devidas recomendações, indicações de vacinas e prescrições sejam feitas de modo individualizado e eficaz.

 

ATUALIZAÇÃO DOS PAÍSES QUE EXIGEM O CERTIFICADO INTERNACIONAL DE VACINAÇÃO CONTRA A
FEBRE AMARELA 

Confira a lista no link http://who.int/ith/ITH_country_list.pdf

 

Coordenação de Saúde do Viajante - Anvisa

www.anvisa.gov.br/viajante

 

 

banner.png